Connect with us
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-2913080483495928", enable_page_level_ads: true });

Geral

“Rei do bitcoin” tem bens bloqueados após dívida milionária com clientes

O empresário Claudio Oliveira, dono do Grupo Bitcoin Banco, de Curitiba (PR), teve o sequestro de bens decretado pela Justiça na última sexta-feira (16). Conhecido como o “Rei do bitcoin”, Oliveira e a empresa respondem a mais de cem processos judiciais e têm uma dívida milionária com clientes que não conseguiram fazer saques em suas contas.

Uma das ações foi movida pelo advogado Gustavo Bonini Guedes, que representa clientes com aproximadamente R$ 13 milhões a receber. O valor total devido pelo grupo, segundo Guedes, gira em torno de R$ 70 milhões, mas não é possível saber o montante exato, porque muitos processos correm em segredo de Justiça.

Viagem marcada para a Suíça na quarta-feira

Para não ter os bens confiscados, Oliveira teria se comprometido a pagar parte das dívidas nesta segunda-feira (19), o que não aconteceu, segundo Guedes, que teve uma reunião com o empresário no começo da tarde de hoje.

“Ele alegou que não tem recursos suficientes e pediu um prazo maior para fazer o pagamento. Eu disse que o prazo final seria hoje”, afirmou o advogado.

Ele disse que está em contato com o oficial de Justiça para retomar a busca e apreensão dos bens, que incluem sapatos, joias, bolsas e outros objetos de alto valor que podem ajudar a quitar as dívidas.

O empresário afirmou que deve viajar para a Suíça na quarta-feira (21) para visitar sua filha, segundo Guedes. O Banco Bitcoin não confirmou a informação, nem desmentiu. O assessor disse apenas que “não há nada a respeito disso”.

Investiu R$ 35 mil e não consegue sacar

Os problemas do grupo, que tem dez empresas, vieram à tona em maio deste ano, quando usuários começaram a ter problemas para fazer saques na plataforma. O engenheiro de telecomunicações Gonçalo Almeida, 48, é um deles. O português, que conheceu o grupo em maio deste ano, afirma ter cerca de R$ 35 mil na plataforma.

“Desde então, não consigo sacar nada. Parece-me um golpe para enganar trouxas. Não existe isso de ficar tanto tempo com o saque bloqueado”, disse Almeida, que opera com bitcoins há cerca de dois anos.

Em grupos de WhatsApp, promete devolver tudo

Desde o início dos problemas na plataforma, Oliveira tem-se pronunciado em grupos do WhatsApp e Telegram que reúnem clientes do banco. Ele afirmou que irá sanar todas as pendências.

Em um dos áudios, divulgado neste mês, o empresário afirmou que reconhece a situação e disse trabalhar para resolvê-la. Disse, ainda, que os problemas estão maiores por causa dos clientes que entraram na Justiça.

Na semana passada, clientes do grupo, que tem mais de 20 mil usuários, segundo a Folha, fizeram uma manifestação na sede da empresa, na região central da capital paranaense.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Momo aparece em vídeos de slime do YouTube Kids e ensina as crianças a se suicidarem

Geral

Dona de casa evangélica invade igreja católica e quebra quadros e imagens de santos

Geral

Bombeiros quebram vidros de carro estacionado em frente a hidrante para passar mangueira

Geral

Danilo Gentili é condenado a seis meses de prisão em caso Maria do Rosário

Geral

© 2019 Cruz de Malta Editores Associados | Novo Dia Notícias: Auditado pela Associação dos Jornais do Interior do Estado de São Paulo - ADJORI/SP. Filiado à Associação Nacional de Jornais - ANJ
Atibaia, Cabreúva, Caieiras, Cajamar, Campo Limpo Paulista, Francisco Morato, Franco da Rocha, Indaiatuba, Itatiba, Itu, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Salto, Valinhos, Várzea Paulista e Vinhedo

Connect