Pobre Dilma. Desaprovada por quase 65% dos brasileiros

Se for legraficojpegvado em conta seu desempenho pessoal, o resultado é um desastre: desaprovada por 77,7%

Dona Dilma tem razões de sobra para perder o sono. A pesquisa feita pelo instituto MDA, a pedido da Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra resultados catastróficos – desaprovação de seu governo por 64,8% dos brasileiros. No quesito desempenho pessoal, a coisa é pior: desaprovada por 77,7%.
O resultado é de 2002 entrevistas em 137 cidades de 25 estados entre 16 e 19 de março, e a margem de erro é de 2,2% para mais ou para menos. Em setembro, antes das eleições do ano passado, 24% avaliavam o governo como negativo e 41% como positivo, enquanto 35% consideravam regular.
A pesquisa também sondou como os eleitores votariam se as eleições do ano passado fossem hoje. A maioria dos eleitores (55,7%) disseram que votariam no senador Aécio Neves (PSDB-MG), derrotado pela petista no segundo turno, enquanto 16,6% votariam em Dilma. Outros 22,3% responderam que votariam em branco ou anulariam o voto.
Outras coisas mostradas pela pesquisa: para 66,7%, saúde deveria ser prioridade nesse novo mandato de Dilma. 46,8% consideram educação. As outras prioridades deveriam ser: emprego (24,6%), segurança (23,5%), economia (13,3%), habitação (6,6%), transporte (5,5%) e saneamento (2,6%).
Para 81,0%, a presidente Dilma Rousseff não está cumprindo o que prometeu nesses primeiros meses. 12,9% consideram que está cumprindo parcialmente. 4,7% disseram que ela está cumprindo sua promessa.
85,0% têm acompanhado ou ouviram falar das denúncias de corrupção envolvendo a Petrobras. Entre aqueles que acompanham ou já ouviram falar, 68,9% consideram que a presidente Dilma é culpada pela corrupção que está sendo investigada na Petrobras e 67,9% acham que o ex-presidente Lula é culpado.
Entre os que acompanham ou ouviram falar das denúncias de corrupção na Petrobras, 65,7% acreditam que os envolvidos no esquema de desvio de dinheiro não serão punidos e 57,4% acreditam que o governo federal não será capaz de combater a corrupção.
Para 68,6%, em 2015, o custo de vida vai aumentar. 77,2% reduziram suas despesas por causa da situação econômica atual. 82,3% consideram que o preço dos alimentos vai aumentar nos próximos 12 meses. Em relação aos aumentos ocorridos no início do ano (energia, água, combustível), 61,1% avaliam que foram desnecessários. Itens que deverão ter mais peso nas contas pessoais dos próximos 12 meses, na avaliação dos entrevistados: alimentação (72,3%), saúde (33,5%), transporte (29,6%), moradia (23,7%), educação (9,8%), lazer (9,0%).

Publicidade

 

Publicidade

Siga

169,299FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE