Siga nos
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-2913080483495928", enable_page_level_ads: true });

Aguinaldo Oliveira

O mapa não é o território

A frase “Navegar é preciso, viver não é preciso”, tem sido usada inadequadamente em alguns discursos, onde justifica-se dar mais importância a caminhada do que ao sucesso. Ela ficou muito conhecida entre os brasileiros em 1973, quando Ulysses Guimarães, um fã de Fernando Pessoa, citou o autor em seu discurso para se lançar anticandidato a Presidência da República, em pleno Regime Militar Brasileiro. Mas Fernando Pessoa, quando escreveu o poema no início do século passado, também teria citado seu verdadeiro autor, um general italiano do ano 50 aC, chamado Cneu Pompeu.

O que Cneu Pompeu dizia para suas tropas era justamente o contrário do que se entende hoje… até porque além da tradução, a própria língua portuguesa trás alguns termos que são ambíguos ou tem dois significados. Precisão, por exemplo, quer dizer algo milimetricamente justo, sem divergência, sem falhas ou margens de erro. Pompeu repetia que “navegar é preciso”, pois o navegador conta com um planejamento preciso. Já a vida, prega peças e nos desafia todos os dias a termos uma grande capacidade de improviso. Ou seja, a vida não é precisa… viver depende da nossa capacidade de lidar com o que acontece.

Se navegar é preciso, percebemos no dia a dia muitas pessoas vivendo totalmente sem navegação, ou seja, sem nenhum planejamento. Resolvem o rumo a cada tropeço e isso cria uma instabilidade muito grande, pois não se sabe como nem onde quer chegar. O sucesso depende de objetivos, de metas e de planos. É fundamental termos um mapa para a navegação de nossa vida… porém Helio Couto alerta que “Navega-se pelo mapa, mas caminha-se no território real”.

Ou seja, o mapa não é o território. Se o mapa te manda atravessar o rio, mas não há nenhum rio em sua frente, não tente sair nadando, pois não conseguirá nadar na terra seca. Precisamos estar aptos a improvisar, mas se não tivermos planos nem improvisar conseguiremos. Será que Cneu Pompeu venceria guerras sem ter um plano? Fernando Pessoa encantaria o mundo sem uma missão? Ulysses Guimarães desfiaria os militares sem saber onde podia chegar? Então, se navegar é algo exato e preciso, naveguemos com planos que busquem o nosso objetivo de vida. Pois viver pode não ser tão preciso quanto é excitante e necessário, principalmente para aqueles que têm objetivos.

por Aguinaldo Oliveira 

Clique para comentár

Nos escreva

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Momo aparece em vídeos de slime do YouTube Kids e ensina as crianças a se suicidarem

Geral

Bombeiros quebram vidros de carro estacionado em frente a hidrante para passar mangueira

Geral

iFood começa a testar entrega de refeições com drones

Geral

Vigilância Sanitária multa Vencedor da Ponte São João

Jundiaí

© 2019 Cruz de Malta Editores Associados | Novo Dia Notícias: Auditado pela Associação dos Jornais do Interior do Estado de São Paulo - ADJORI/SP. Filiado à Associação Nacional de Jornais - ANJ
Atibaia, Cabreúva, Caieiras, Cajamar, Campo Limpo Paulista, Francisco Morato, Franco da Rocha, Indaiatuba, Itatiba, Itu, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Salto, Valinhos, Várzea Paulista e Vinhedo

Conectar