Siga nos
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-2913080483495928", enable_page_level_ads: true });

Anselmo Brombal

Por que dinheiro público?

Clamam os eternos defensores da cultura que falta apoio oficial para uma série de iniciativas. Desfilam argumentos, como tradições, raízes étnicas e sociais para justificar suas lamúrias. E assim, ao longo dos últimos anos, muitas manifestações “culturais” tiveram apoio oficial. Apoio que está minguando.

Por apoio oficial entenda-se dinheiro público. Dinheiro formado por impostos, pagos por todos, mas que sempre foi usado por minorias. Tornou-se praxe a afirmação “a prefeitura tem de ajudar”. Qualquer festa de bairro ou paróquia só acontece se a prefeitura alugar tendas, pagar serviço de som e outras despesas.

No Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella andou cortando verba para Carnaval e Parada LGBT. E promete cortar mais. Crivella é o número dois da Igreja Universal, e em que pese o viés ideológico ou religioso de seus cortes, é um ótimo exemplo para todos os prefeitos.

Muitas prefeituras despejam rios de dinheiro em Carnaval. O mesmo dinheiro que durante o ano vai faltar para compra de remédios nos postos de saúde. O mesmo dinheiro que vai faltar para fazer asfalto. Ou construir escolas. E certamente os primeiros a reclamar dessas faltas serão os que usufruiram do dinheiro público em festas como o Carnaval.

Em Jundiaí, as escolas de samba, que são representadas por uma liga, já lamentam que há pouco dinheiro para a lambança. A prefeitura deverá repassar R$ 480 mil para a liga, em quatro fases – duas de R$ 160 mil, uma de R$ 112 mil e uma de R$ 48 mil. Nenhuma parcela foi paga até agora.

Para as festas, a prefeitura já gasta muito. Interdita ruas, coloca a fiscalização de trânsito nos lugares indicados, manda a Guarda Municipal fazer segurança. Isso custa, e muito. Custa pelos deslocamentos, pelas horas extras, pelo combustível. Não precisa dar mais nada.

Como lembrou um dos entrevistados pelo Novo Dia na semana passada, somente o equivalente a 5% da população jundiaiense foi ver os desfiles de Carnaval no ano passado. Com esse cálculo, sacrifica-se 95% dos pagadores de impostos para contentar uma minoria. Uma minoria cada vez mais minoria, em função de segurança e comodidade.

E isso não é justo. Dinheiro de impostos é para ser usado em escolas, hospitais, em prestação de serviços. Nada justifica seu desvio para outras finalidades, principalmente para as lambanças de um período onde ninguém é de ninguém, onde tudo pode, tudo é permitido.

Algo tão animalesco que os governos distribuem preservativos. O que supõe-se, seja um festival sexual. Sexo em ritmo de samba. Ou de frevo. Ou de maracatu. Mas sexo em primeiro lugar. Onde os governos precisam dar a camisinha em nome de prevenção de doenças e de gravidez.

Dinheiro público é coisa bem mais séria do que Carnaval ou paradas LGBT. Nada contra, mas quem faz festa deve fazer com seu dinheiro. Não com o dinheiro dos outros. Quem quer fazer sexo, que faça. Mas que se digne pelo menos a comprar o preservativo na farmácia ou supermercado. Qualquer coisa além disso é um escárnio a quem paga impostos.

1 Comment

1 Comment

  1. pedro henrique maximiano de oliveira

    18 de janeiro de 2019 at 10:20

    nunca li tanta bosta em uma matéria…. são ideias conservadoras sem valor nem um kkkkkkkk só pra lembrar da um click no link ai… http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2011/06/parada-gay-e-o-segundo-evento-que-traz-mais-dinheiro-para-cidade-de-sp.html

Nos escreva

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Momo aparece em vídeos de slime do YouTube Kids e ensina as crianças a se suicidarem

Geral

Bombeiros quebram vidros de carro estacionado em frente a hidrante para passar mangueira

Geral

Danilo Gentili é condenado a seis meses de prisão em caso Maria do Rosário

Geral

iFood começa a testar entrega de refeições com drones

Geral

© 2019 Cruz de Malta Editores Associados | Novo Dia Notícias: Auditado pela Associação dos Jornais do Interior do Estado de São Paulo - ADJORI/SP. Filiado à Associação Nacional de Jornais - ANJ
Atibaia, Cabreúva, Caieiras, Cajamar, Campo Limpo Paulista, Francisco Morato, Franco da Rocha, Indaiatuba, Itatiba, Itu, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Salto, Valinhos, Várzea Paulista e Vinhedo

Conectar