Connect with us
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-2913080483495928", enable_page_level_ads: true });

Geral

Em delação, Palocci diz que bancos doaram ao PT em troca de favores

Em um acordo de delação premiada, o ex-ministro Antônio Palocci afirmou que bancos fizeram doações eleitorais de R$ 50 milhões a campanhas do PT (Partido dos Trabalhadores) em troca de favores nos governos Lula e Dilma Rousseff. As informações são de reportagens do jornal O Globo publicada nesta sexta-feira (19).

Palocci afirmou que os bancos Bradesco, Safra, BTG Pactual, Itaú Unibanco e Banco do Brasil estiveram envolvidos no caso. Segundo ele, o interesse das instituições era obter informações privilegiadas sobre mudanças na Selic (taxa básica de juros) e ter apoio do governo em situações de seus interesses.

Entre as acusações feitas pelo ex-ministro da Fazenda de Lula, e da Casa Civil de Dilma, à Polícia Federal, está o uso indevido do BNDES para uma injeção atípica de R$ 2,4 bilhões na empresa Aracruz Celulose. Em 2008, a empresa estava em prejuízo de R$ 4,2 bilhões. O investimento teria sido para facilitar a venda do negócio ao grupo Votorantim. O grupo Safra também estaria envolvido na negociação.

Em troca, Palocci afirma que os grupos Safra e Votorantim fizeram repasses eleitorais ao PT em 2010 e 2014. O diretório teria do partido teria recebido R$ 1,4 milhão do banco Safra em 2010, e R$ 650 mil da Votorantim em 2014. Campanhas da ex-presidente Dilma teriam recebido R$ 2,3 milhões, do grupo Votorantim em 2010, e na eleição seguinte, R$ 2,75 do banco Safra.

Como uma forma de recompensa por essa atuação do governo, Palocci afirma que o Itaú Unibanco repassou R$ 4 milhões à campanha de Dilma de 2010.

O ex-ministro disse que o maior interesse do banco Bradesco era obter informações privilegiadas sobre o mercado e ter apoio do governo em decisões da Vale. Para isso, doou cerca de R$ 27 milhões ao partido de 2002 a 2014.

O BTG Pactual teria repassado R$ 2 milhões a campanha de Dilma em 2010, e R$ 9,5 milhões em 2014. Segundo a reportagens, essas duas doações citadas estão nas declarações oficiais do partido ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Já o Banco do Brasil teria se envolvido em uma situação para liberar crédito do banco ao grupo Parmalat, em troca de R$ 100 mil em propina da empresa por 1 contrato fictício com o banco.

Segundo a reportagem, parte da delação do ex-ministro não bate. Ele afirma que houve 1 repasse de R$ 4 milhões do banco BTG em troca da exclusão de um processo contra André Esteves, acionista da instituição.

O pagamento não foi comprovado, apesar do acionista ter recebido uma penalidade mais branda no resultado do seu processo.

Outro lado

Em outra reportagem do jornal O Globo, também publicada nesta 6ª feira (19.jul), todos os bancos afirmaram não terem recebido vantagens em troca de doações a campanhas eleitorais. Assim com o diretório do PT, o ex-ministro Guido Mantega e o ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Momo aparece em vídeos de slime do YouTube Kids e ensina as crianças a se suicidarem

Geral

Dona de casa evangélica invade igreja católica e quebra quadros e imagens de santos

Geral

Bombeiros quebram vidros de carro estacionado em frente a hidrante para passar mangueira

Geral

Danilo Gentili é condenado a seis meses de prisão em caso Maria do Rosário

Geral

© 2019 Cruz de Malta Editores Associados | Novo Dia Notícias: Auditado pela Associação dos Jornais do Interior do Estado de São Paulo - ADJORI/SP. Filiado à Associação Nacional de Jornais - ANJ
Atibaia, Cabreúva, Caieiras, Cajamar, Campo Limpo Paulista, Francisco Morato, Franco da Rocha, Indaiatuba, Itatiba, Itu, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Salto, Valinhos, Várzea Paulista e Vinhedo

Connect