Metendo o bico onde não são chamados

Tem muita gente querendo interferir na vida alheia. Às vezes é o vizinho fofoqueiro. Outras, a tia solteira que quer mandar na vida das sobrinhas. Ou até o chefete que acha que todos de seu departamento devem pensar com ele. Mas nada se compara à interferência da Igreja Católica. Em vez de cuidar de seus pedófilos, há séculos deu para apontar o dedo sobre a culpa alheia.

O período da Inquisição – chamada de santa – foi tenebroso. Todos eram obrigados a se converter à fé católica. Ou conversão ou fogueira. Conversão conseguida na base de torturas. Bárbaras torturas, por sinal. Nossos índios foram catequizados na marra. Obrigados a abandonar suas crenças para engolirem a crença dos jesuítas. O mesmo aconteceu com os escravos, embora com resistências.

Publicidade

Até o começo do século passado não havia cartórios. Os registros de nascimento, casamento, escrituras de terras passavam pelas sacristias. Não de graça. Havia taxa para tudo. Papas e bispos venderam milhares de indulgências (perdões), no mesmo estilo de alguns pastores atuais, criticados pela Igreja Católica. Pagava-se para ter um lugar no Paraíso.

Durante parte do período do Império, padres esbravejavam contra senhores de escravos em seus sermões. E os mesmos padres tinham dezenas – às vezes centenas – de escravos. Todos doados ou comprados com o dinheiro da fé. Durante séculos, a mesma igreja manteve o saber restrito a seus conventos – a mesma forma de domínio pela ignorância. Até as missas e outros rituais eram em Latim, para ninguém entender mesmo.

Pedofilia dentro da Igreja Católica não é novidade. Antes eram mais encobertos. Ou mais discretos. Ou as ameças do Inferno eram mais eficientes. Mas sempre houve. Assim como sempre a Igreja acobertou padres homossexuais ou padres que tomavam amantes em suas paróquias.

Publicidade

Foi notória a conivência da Igreja Católica com o nazismo de Hitler. E com o fascismo de Mussolini. Nem Hitler nem Mussolini seriam dignos do Paraíso por seus atos. Mas houve papa que os bajulou para preservar o patrimônio da igreja. Atitude nada exemplar.

Há alguns anos, a Igreja Católica no Brasil passou a se meter em assuntos que não são seus. Muitos padres e bispos adotaram a falida Teologia da Libertação. Uma forma mais que clara de fazer a divisão e a luta de classes. De discriminar.

Agora o papa convocou um sínodo para discutir os incêndios e o futuro da Amazônia. E o que isso vai produzir de útil? Absolutamente nada. Pregações paroquiais não apagam fogo. Encíclicas não produzem novas florestas. Os índios já foram suficientemente dizimados por jesuítas desde a descoberta do País. Continuam a ser por padres e freiras enfronhados em ONGs.

Há quem leve isso a sério. Não é bem assim. A Igreja Católica tem problemas demais, e deles deveria se ocupar. Como o caso dos padres pedófilos. Como os desvios financeiros do Bando do Vaticano, nunca esclarecidos. Como bispos e cardeais que acobertam seus subordinados criminosos. Mais cômodo fazer como o macaco – sentar-se no próprio rabo e observar o tamanho do rabo dos outros.

Está na hora dessa gente pegar o terço e rezar. Dos problemas do mundo, os mundanos cuidam. À Igreja cabe o papel de salvar nossas almas. Se é que elas têm salvação.

Publicidade

Siga

168,413FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE