Confirmada a primeira morte por febre hemorrágica após 20 anos

Um morador de Sorocaba morreu após complicações causadas pela febre hemorrágica, sendo o primeiro caso em 20 anos. A informação foi divulgada pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (20).

Além disso, a pasta informou que o caso de febre hemorrágica brasileira é causado por um novo tipo de vírus.

Publicidade

Segundo o Ministério da Saúde, o paciente passou a apresentar os sintomas no dia 30 de dezembro e chegou a ser atendido em três hospitais diferentes: Eldorado (SP), Pariquera-Açu (SP) e São Paulo até vir a óbitos por complicações no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFM-USP), no dia 11 de janeiro.

Nos atendimentos, foram realizados exames para identificar doenças como febre amarela hepatites virais, leptospirose, dengue e zika. Os resultados foram negativos para todas as doenças.

A pasta ainda afirma que o paciente viajou para as cidades de Itapeva (SP) e Itaporanga (SP), locais onde há possíveis focos de infecção. Apesar disso não foi confirmada a origem da contaminação. Funcionários dos hospitais e familiares do pacientes estão sendo monitorados constantemente.

Publicidade

O caso está sendo considerado como um evento de saúde pública grave por conta da raridade e da letalidade da doença.

Em todo o país, foram registrados apenas quatro casos da doença, sendo três adquiridos em ambiente silvestre no estado de São Paulo e um por infecção em ambiente laboratorial no Pará. Todos os casos foram contabilizados na década de 90, o último em 1999.

A doença:

A febre hemorrágica pode levar até 21 dias para se manifestar no paciente, começando com sintomas de febre mal-estar, dores musculares, manchas vermelhas no corpo, dor de garganta, no estômago e atrás dos olhos, dor de cabeça, tonturas, sensibilidade à luz, constipação e sangramento de mucosas, como boca e nariz.

Com a evolução da doença pode haver comprometimento neurológico, como sonolência, confusão mental, alteração de comportamento e convulsão.

Segundo o Ministério da Saúde, a doença pode ser contraída por meio da inalação de partículas formadas a partir da urina, fezes e saliva de roedores infectados.

A contaminação de uma pessoa para outra pode ocorrer através do contato muito próximo e prolongado ou em ambientes hospitalares, quando não utilizados equipamentos de proteção, por meio de contato com sangue, urina, fezes, saliva, vômito, sêmen e outras secreções ou excreções.

Publicidade

Siga

168,413FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE