Loja brasileira não oficial da Xiaomi fecha e some com dinheiro de clientes

O site de uma das principais revendedoras não oficiais de produtos Xiaomi no Brasil, a Mi Store Brasil, saiu do ar misteriosamente há alguns dias sem entregar várias encomendas, prejudicando centenas de clientes.

A Mi Store Brasil funcionava no endereço eletrônico www.mistorebrasil.com, atualmente desativado. O site oficial de vendas da Xiaomi Brasil funciona no endereço mi.com/br, e a empresa chinesa, que opera no Brasil em parceria com a companhia mineira DL, nega qualquer envolvimento com a operação da Mi Store Brasil.

Publicidade

Além de seu site de compras, a Mi Store Brasil desativou suas redes sociais, não responde qualquer contato dos consumidores e deu baixa em seu CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), segundo consulta no site da Receita Federal.

Centenas de pessoas que compraram, principalmente, smartphones Xiaomi na época de Black Friday e Natal, não receberam seus produtos e ainda têm poucas esperanças de reaverem o pagamento.

O Reclame Aqui já computa mais de 150 reclamações contra a empresa nos últimos meses, todas sem qualquer resposta. O último status recebido nessas compras é “aguardando envio”. O número de clientes lesados pode passar de 1.000, com prejuízo médio de R$ 1,2 mil (compra de um smartphone), totalizando um golpe de mais de R$ 1,5 milhão.

Publicidade

A preocupação das pessoas é não conseguir reaver o dinheiro, principalmente quem pagou via boleto bancário. As compras por cartão de crédito podem estar protegidas por dispositivos de segurança do próprio banco ou da plataforma intermediadora, como PagSeguro, PayPal e Mercado Pago.

Mas, há um prazo para reclamações de fraude —depois disso, o dinheiro é liberado para o vendedor. Esse prazo, em geral, varia de 30 a 45 dias. Mas a loja já sabia disso —e fez o possível para estourá-lo.

Em 18 de dezembro, em um comunicado no Instagram, a Mi Store Brasil se desculpou pelo atraso nas entregas, atribuindo o problema à transportadora. Também pediu que as pessoas parassem de mandar mensagens.

A loja se recusava a estornar os valores de quem desistisse da compra. Além disso, começou a orientar os clientes que os procuravam a abrir um “ticket no suporte pelo site” ou uma disputa com o intermediador da compra ou com a operadora do cartão.

Na primeira semana de janeiro, todas as redes sociais e o site da Mi Store Brasil foram deletados.

Publicidade

Siga

168,536FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE