Contratos de Petróleo derretem e são negociados abaixo de US$ 0, com queda de mais de 100% pela primeira vez na história

Enquanto investidores e especialistas céticos ao potencial do Bitcoin argumentaram que o valor do BTC chegaria a US$ 0, em mais um capítulo da crise financeira mundial causada pelo avanço do coronavírus em todo o mundo, os contratos futuros de petróleo literalmente derretem em 20 de abril e caíram mais de 100%, chegando a ser negociado em -US$ 1,59, a maior queda da história.

O evento, até o momento não causou grandes estragos no preço do Bitcoin que, no momento da escrita, apresenta uma queda de 3,72%, sendo cotado a US$ 6.945,75

Publicidade

Por volta das 15h25 (horário de Brasília), o barril americano West Texas Intermediate (WTI) perdia 108,70% e era negociado a -US$ 1,58 a unidade. Em 2011, o barril valia US$ 114. Ao mesmo tempo, o barril de Brent do Mar do Norte, referência para o mercado europeu, recuava 7,19%, a US$ 26,06 o barril.

A queda histórica ocorreu devido ao avanço da pandemia do coronavírus no mundo já que há um excesso de petróleo no mercado que não tem dado conta de consumir a produção. Embora países produtores tenham concordado em reduzir bombeamento e as maiores petroleiras do mundo também estejam diminuindo produção, os cortes não serão rápidos o suficiente para evitar problemas nas próximas semanas.

De acordo com a Reuters, há atualmente cerca de 160 milhões de barris armazenados em navios-tanque, um número recorde, bem acima dos 100 milhões de barris armazenados dessa forma no auge da crise financeira iniciada em 2008.

Publicidade

Ainda segundo a reportagem, os estoques de petróleo em Cushing – o principal centro de armazenamento nos EUA – aumentaram 48%, para quase 55 milhões de barris, desde o final de fevereiro. O hub tinha capacidade de armazenamento operacional de 76 milhões em 30 de setembro, segundo a Energy Information.

“Não há limite para o lado negativo dos preços quando os estoques e os oleodutos estão cheios”, disse Pierre Andurand, gerente de fundos de hedge de commodities, no Twitter. “Preços negativos são possíveis.”

Além do coronavírus uma guerra de preços e produção iniciada pela Arábia Saudita com a Rússia teria ajudado a atual crise. Os dois países encerraram a disputa no início do mês, quando aceitaram, ao lado de outros parceiros, reduzir a produção em quase 10 milhões de barris diários para estimular os mercados afetados pelo vírus. Ainda assim, os preços continuam em queda. Analistas consideram que os cortes não são suficientes para compensar a forte redução da demanda

Em março quando a Arábia Saudita anunciou descontos de 20% no preço do petróleo o preço do Bitcoin não conseguiu segurar o pânico no mercado e caiu 10%.

Com a queda histórica vários memes começaram  a surgir na internet.

Publicidade

Siga

170,012FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE