Hospital São Vicente de Paulo libera visitas a pacientes em estado terminal de Covid-19

O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), implantou uma ação inédita na região de Jundiaí, a “Visita Humaniza Covid”, onde as visitas à parentes diagnosticados com a doença e em fase terminal são permitidas. A ideia veio do Hospital Municipal do M’Boi Mirim, em São Paulo.

A ação começou neste mês e possibilitou que Juliana de Freitas Miranda se despedisse do pai, Gilberto da Silva Miranda, de 62 anos e que não resistiu a Covid-19. “Meu pai abriu os olhos e naquele momento eu soube que ele estava me esperando”, conta a filha.

Publicidade

“Agradecemos a oportunidade de se despedir dele. Ficamos sabendo de conhecidos, com parentes internados em outras instituições, que infelizmente não tiveram a mesma chance. Hoje, eu e minha irmã, Luciana, estamos lidando melhor com a perda e seguindo em frente graças ao trabalho que o São Vicente desenvolveu”, agradece Juliana.

Segundo a psicóloga Caroline Alves, a ação ajuda no processo de luto, isso porque a equipe médica se preocupa com os familiares que não conseguem se despedir do ente internado em fase terminal, o que é muito triste. “Entendemos que esse processo é fundamental para assimilação e acomodação a essa situação de perda. Na maior parte dos casos de coronavírus, são pessoas que estão visualmente bem, estão andando, mas o caso evolui muito rápido para piora. Situações como essa são sempre mais difíceis de aceitar”, explica.

Adaptação

Para que os parentes possam se despedir de seus entes queridos, a ação precisou ser adaptada para o HSVP, com a participação de todas as equipes envolvidas, como enfermagem, serviço social, psicologia e corpo clínico.

Publicidade

O contato entre paciente e família é feito por meio do Serviço Social da unidade, que programa uma reunião, com no máximo dois familiares, para que eles possam receber as orientações da psicóloga juntamente com a equipe médica. O encontro tem tempo máximo de 20 minutos.

Além disso, apenas uma pessoa pode entrar e ver o paciente. É preciso que tenha acima de 18 anos, abaixo de 60 e não possua comorbidades como, por exemplo, obesidade. Na ocasião o parente assina um termo de responsabilidade.

O projeto ainda está em fase experimental e tem como intuito monitorar o luto dos familiares de 30 a 60 dias após o falecimento do paciente com Covid-19, afim de tornar o luto menos traumático.

“Antes da pandemia nós estávamos sempre em contato presencial com os familiares, o que nos ajudava no acompanhamento psicológico deles, desde o início da internação dos usuários, mas agora, devido ao coronavírus, nós faremos esse trabalho posterior ao falecimento. Nosso objetivo é minimizar a dor da perda. O Hospital São Vicente irá oferecer todo esse suporte”, destaca a psicóloga.

Publicidade

Siga

169,022FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE