Presente de formatura: Estácio demite todos os professores

Faltando apenas um semestre para conclusão do curso, alunos foram surpreendidos com as demissões

Os alunos que deveriam iniciar o último semestre em alguns dos cursos mantidos pela Universidade Estácio de Sá em Jundiaí foram surpreendidos no início do mês com uma noticia preocupante – professores e coordenadores foram demitidos. De quebra, receberam dois boletos, um da mensalidade e outro da rematrícula para esse último semestre.

Publicidade

Atrás dessa barafúndia está a Kroton, que está comprando tudo e mais um pouco, e já é a maior instituição de ensino do Brasil. A Kroton já é dona da Faculdades Anhanguera e também da Pitágoras. Na semana passada confirmou a compra da Estácio, um negócio de R$ 5,5 bilhões. A Ser Educacional, outra interessada na Estácio, desistiu do negócio, mas havia oferecido R$ 1 bilhão.

As estripulias da Kroton em Jundiaí começaram há algumas semanas, quando os alunos da Pitágoras foram avisados que seriam transferidos para o prédio da Anhanguera, no final da rua do Retiro. Com essa fusão, calcula-se que o prédio da Anhanguera deverá receber 13 mil alunos, acompanhados de seus carros, ônibus e vans fretados.

A confusão é tamanha que o Sindicato dos Professores de Jundiaí entrou na briga, preocupado com as demissões de professores. “Nossa preocupação não é só com os professores, explica Sandra Baraldi, presidente do Sinpro. Estamos preocupados também com os alunos. Haverá acomodação para todos? E a qualidade do ensino, que já não é das melhores, como fica?”

Publicidade

O caso da Anhanguera é mais complicado. Já sobram reclamações de moradores e motoristas sobre o tumulto no trânsito e aglomeração de estudantes nas ruas do entorno. Sinal que essas reclamações devem aumentar.

O caso da Estácio, por enquanto parece pequeno, fácil de resolver. Mas o temor dos alunos é que sejam jogados em outras salas da Anhanguera, e que os cursos que estão por terminar sejam levados na flauta até a formatura. Se houver.

“É uma situação de irresponsabilidade total, afirma a presidente do Sinpro, Sandra Baraldi. Toma-se uma decisão sem consultar ninguém, envolvendo centenas, talvez milhares de estudantes, além dos professores, e fica tudo como está. A sociedade precisa se mobilizar para impedir que fatos assim aconteçam ou se repitam”.

Publicidade

Siga

168,534FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE