Connect with us
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-2913080483495928", enable_page_level_ads: true });

Jundiaí

Grupo Moreira e RDA: Réus têm bens bloqueados pela Justiça

O Ministério Público de São Paulo obteve liminar determinando a indisponibilidade de bens de três homens e nove empresas – o Grupo Moreira e RDA, que atua em Jundiaí e região – por envolvimento em pirâmide financeira, tipificada como crime contra a economia popular. A medida atinge bens imóveis, veículos licenciados em nome dos réus, contas bancárias e aplicações financeiras. A informação acaba de ser divulgada no site do próprio MP.

Na ação, o promotor de Justiça Fabiano Severiano alega que inquérito civil apontou que Ronaldo Douglas Barros Moreira, Anderson Rodrigo de Barros Moreira e Dario Rogério de Barros Moreira, assim como as empresas ligadas a eles, formaram o “Grupo Moreira e RDA”.

De acordo com o texto divulgado pelo Ministério Público, “por meio do Grupo Moreira/RDA, os réus iludiram consumidores com promessas de rendimentos superiores aos praticados no mercado. Na verdade, tratava-se de um esquema de pirâmide financeira que, ao ruir, causou pesados prejuízos financeiros aos investidores e provocou a propositura de inúmeras ações, levadas ao Judiciário local. O grupo não contava com autorização da Comissão de Valores Mobiliários para exercício da atividade de administração profissional de carteira de valores.”

No processo em que a liminar foi concedida, o promotor frisou que o objetivo é não apenas buscar a condenação dos réus a reparar os danos causados às vítimas, mas também desafogar a máquina judiciária em Jundiaí, já que só Ronaldo, por exemplo, aparece como réu em mais de 900 processos judiciais, o que demonstra a extensão do dano causado aos consumidores.

“(…) a partir da falsa promessa de um índice de sucesso dos investimentos em percentual elevado, e não encontrável no mercado, ou seja, de 4% ao mês, bem como da propagandeada solidez e dinâmica das empresas do ‘Grupo Moreira/RDA’, os réus Ronaldo, Dario e Anderson criaram uma infundada crença coletiva de que se tratavam de profissionais altamente gabaritados e especializados em gestão de valores mobiliários, atraindo para seus domínios milhares de consumidores incautos.

Apurou-se que dos verdadeiros talentos profissionais dos requeridos nenhum deles poderia ser listado como relacionados à administração de valores mobiliários, dado que o indigitado sucesso era, na verdade, fruto de uma planejada e estruturada ‘pirâmide financeira’”, diz o promotor na ação.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Momo aparece em vídeos de slime do YouTube Kids e ensina as crianças a se suicidarem

Geral

Dona de casa evangélica invade igreja católica e quebra quadros e imagens de santos

Geral

Bombeiros quebram vidros de carro estacionado em frente a hidrante para passar mangueira

Geral

Danilo Gentili é condenado a seis meses de prisão em caso Maria do Rosário

Geral

© 2019 Cruz de Malta Editores Associados | Novo Dia Notícias: Auditado pela Associação dos Jornais do Interior do Estado de São Paulo - ADJORI/SP. Filiado à Associação Nacional de Jornais - ANJ
Atibaia, Cabreúva, Caieiras, Cajamar, Campo Limpo Paulista, Francisco Morato, Franco da Rocha, Indaiatuba, Itatiba, Itu, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Salto, Valinhos, Várzea Paulista e Vinhedo

Connect