A guerra nem tanto silenciosa

O governo e o Congresso estão em guerra declarada. Não há mais como esconder que deputados e senadores – e nem todos – querem mandar. O governo reage como pode. Endureceu o jogo, nomeando um general para a Casa Civil. O Congresso faz ameaças. Faz afrontas e não esconde que está incomodado com os rumos que o governo está tomando.

Deputados e senadores estavam acostumados a intimidar presidentes. Exigiam cargos e verbas para suas obras em troca de votos. Desde o ano passado encontraram um presidente que não quer saber de muita conversa. Sem conversa, não há negociação. Sem negociação, não há chantagem. E sem chantagem, não há dinheiro.

Publicidade

Na semana passada, o ministro Augusto Heleno, que é general, escancarou essa guerra. Disse claramente que o governo é chantageado por deputados e senadores. Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, já havia dado claros sinais de encrenca – propôs que os ministros do Supremo Tribunal Federal fossem nomeados pelo Congresso, e não pelo presidente.

O Congresso já havia feito outras ameaças. Nada sutis. A Medida Provisória que criou a carteira de estudante digital venceu sem ser votada. Os deputados cederam à pressão do PCdo B, que controla a UNE (União Nacional dos Estudantes). E agora a carteira de estudante volta a ser emitida pela UNE, que vai cobrar por isso.

Vez ou outra já tem gente falando em impeachment de Bolsonaro. E ameaçar com impeachment é chantagem. Na melhor das hipóteses. Na pior, é terrorismo. Há de se entender que deputados e senadores estavam acostumados a esse tipo de coisa. Lula só não era refém do Congresso porque comprou deputados e senadores. Dilma seguiu o mesmo caminho. E Temer era mais que escolado nessa prática. O dando que se recebe.

Publicidade

Bolsonaro tomou outra postura e colocou deputados e senadores em seus devidos lugares. Eles não gostaram. Por trás dessa guerra há muitos interesses. Deputados envolvidos em falcatruas precisam – e contam – com proteção dos ministros do STF. Precisam também da complacência da Polícia Federal em investigações para que não sejam mandados para a cadeia.

Precisam que os ministérios liberem verbas para obras em seus estados, onde certamente há algum empreiteiro (leia-se doador de campanha) preparando o edital para uma concorrência pública viciada e dirigida. É assim que funciona. Ou funcionava.

Alguns estão incomodados com o ministro da Justiça Sérgio Moro. Outros o enxergam como possível candidato à Presidência daqui a alguns anos. Algo que atrapalharia muitos interesses. Deputados e senadores instigam jornalistas a ouvirem o ex-presidente Lula. E Lula não perde uma chance de atacar Moro e Bolsonaro.

Nem se lembram que Lula é condenado pela Justiça em segunda instância – e portanto deveria estar preso. Preso e sem direito a entrevistas e outros agrados. Dão espaço a José Dirceu, condenado no Mensalão e no Petrolão. Dizem que Bolsonaro quer implantar uma ditadura. Talvez devesse. Talvez devesse também diminuir o tamanho do Senado e da Câmara.

Mas isso, segundo essa gente nascida no estrume, é contra a democracia. Para eles, democracia é um regime de igualdade, onde todos eles (deputados e senadores) possam roubar sem serem incomodados. Não é bem isso que pensam Bolsonaro, Augusto Heleno e Sérgio Moro. Para eles, como para toda a sociedade, lugar de ladrão é na cadeia. Mas somos nós que perdemos nessa guerra.

Publicidade

Siga

169,022FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE