O padre dos balões que sumiu nos céus (ou no mar?)

O gaúcho pelotense Adelir Antônio de Carli era um padre defensor dos moradores de rua e dos caminhoneiros que passavam por Paranaguá (PR). Ficou famoso mundialmente em 2008 por voar amarrado em mil balões (bexigas coloridas cheias de gás hélio) e desaparecer no céu. Ou falecer no oceano de Santa Catarina, segundo laudos mal acabados. Pedaços de seu corpo e alguns balões foram encontrados no balneário de Penha (SC), mas duas pernas e um pedaço de quadril foram parar a 100 quilômetros do litoral de Maricá, Rio de Janeiro, três meses depois. Os restos foram encontrados por um rebocador da Petrobras e analisados no Instituto Médico Legal de Maricá. O DNA foi feito com a ajuda do irmão do padre, o mestre de obras Moacir de Carli.

Naquele 20 de abril de 2008, o tempo estava fechando em Paranaguá, começava a chover. Mas padre Adelir estava pronto para subir aos céus, mesmo desaconselhado por alguns amigos fiéis. O benemérito católico só queria mostrar ao mundo um recorde de voo em bexigas e motivar apoiadores em defesa da Pastoral dos Caminhoneiros que ele dirigia. Também queria desbancar um americano que voou 19 horas amarrado a balões de festa. Certa vez, o padre havia voado com 500 balões e, sem rumo, foi do Paraná a Argentina. Queria entrar pro Guinness Book voando 20 horas e aterrissando em Dourados, Mato Grosso do Sul. Sua técnica era furar balões a cada 50 minutos e rezar para que os ventos o levassem ao destino. Sem GPS, com dois celulares xing ling descarregados, acabou sumindo.

Publicidade

No final de 2008, Adelir Antônio de Carli e seus mil balões tinham virado meme no mundo todo. Nestas charges, o padre voador aparecia nos anúncios de filmes como O Vento Levou, sobrevoando a muralha da China, com a Noviça Rebelde, no cenário de Lost ou até nos céus ao lado das torres gêmeas implodidas por terroristas 11 de setembro de 2001. O padre recebeu uma irônica homenagem do Prêmio Darwin Awards – dedicado a pessoas que morreram por erros absurdos. Mas o site justificou: “O padre Adelir estava corajosamente arrecadando dinheiro para uma causa nobre. O Darwin Awards saúda esses heroicos pioneiros em voos de balão”. Nosso padre voador virou lenda. Rest in Peace!

Galdino Mesquita

Publicidade

Siga

176,789FãsCurtir
6,743SeguidoresSeguir
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não Perca

Projetada nova linha intermunicipal de transporte público entre Itupeva e Jundiaí

Atendendo a uma demanda antiga, iniciada pelo Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) de Itupeva, em benefício dos usuários do transporte público intermunicipal,...

Bolsonaro diz que Brasil foi um dos países que melhor enfrentou a pandemia

Mesmo no exato momento em que o Brasil registra mais de 116 mil mortes pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na...

Miss Jundiaí faz campanha para ajudar famílias em vulnerabilidade social

Com a chegada da pandemia de Covid-19 em março deste ano, a estudante de psicologia Daniele Daros, de 22 anos, não pode...

Com mais de 10 dias sem mortes por Covid-19, Jarinu e Cabreúva registram queda de óbitos

As cidades de Jarinu e Cabreúva têm registrado queda significativa no número de novos casos de Covid-19 e, principalmente, no de óbitos...

Jundiaí tem mais de 90% do infectados pela Covid-19 recuperados da doença

Segundo o painel de monitoramento do coronavírus da Prefeitura de Jundiaí, dos 9.940 casos confirmados de Covid-19 na cidade, até quarta-feira (26),...
PUBLICIDADE